Publicidade
Botão de Assistente virtual
Notícias | Rio Grande do Sul ESQUEMA CLANDESTINO

Cerca de 150 quilos de hambúrgueres com carne de cavalo eram produzidos por dia na Serra, diz MP

Promotoria confirmou venda da carne fabricada em local clandestino a duas hamburguerias de Caxias do Sul; outros estabelecimentos são investigados

Publicado em: 18.11.2021 às 13:15 Última atualização: 18.11.2021 às 18:45

Uma operação do Ministério Público do Rio Grande do Sul (MP) prendeu seis pessoas, nesta quinta-feira (18), suspeitas de envolvimento em um esquema clandestino de fabricação e venda de hambúrgueres com carne de cavalo a lancherias de Caxias do Sul. A produção diária girava em torno de 150 quilos, informou em coletiva de imprensa, no fim da manhã, o promotor de Justiça Alcindo Luiz Bastos da Silva Filho.

Esquema clandestino comercializava carne de cavalo
Esquema clandestino comercializava carne de cavalo Foto: Ministério Público

Durante a operação, foram encontradas na propriedade várias carcaças de animais enterradas. A investigação, que durou dois meses, apurou que os cavalos eram comprados por um preço aproximado de R$ 100 de carroceiros, pessoas em situação de rua e usuários de drogas. Alguns animais haviam sido furtados. Os suspeitos não tinham autorização para fazer o abate e o comércio da carne.

"Local totalmente clandestino, condições de higiene as piores possiveis, os animais já meio esgualepados, e que eram, depois de feito o fracionamento dessa carne, essa desossa, encaminhados a outro local onde eram produzidosos hambúrgueres", detalha o promotor.

Mirus Burguer e Natural Burguer compravam a carne

Ainda conforme a investigação do MP, ficou comprovado que, pelo menos, duas hamburguerias de Caxias do Sul compravam esses hambúrgueres - a Mirus Burguer e a Natural Burguer. Conforme o promotor, não é possível afirmar que os estabelecimentos tinham conhecimento sobre o uso de carne de cavalo, mas ambos compravam os produtos sem nota fiscal, rotulagem, validade ou procedência.

"No momento em que se adquire alimentos, é evidente que eles têm que comprar produtos inspecionados, com nota fiscal. Esse pessoal não tem, estão totalmente na clandestinidade", ressalta Alcindo Luiz Bastos da Silva Filho. "Vítimas de forma nenhuma", completa.

Para comprovar que no hambúrguer havia carne de cavalo, o MP adquiriu produtos junto a três lancherias e os enviou ao Laboratório Nacional Agropecuário do Ministério da Agricultura, em Goiânia, para avaliação. No caso de duas delas, a presença na composição foi confirmada por exame de DNA. 

O promotor ressalta que o consumo de carne equina não faz parte da cultura gaúcha e que os consumidores estariam sendo enganados por acreditarem estar consumindo carne bovina. O mais grave, porém, seria o abate e comércio de carne sem o conhecimento das autoridades sanitárias.

"Tivemos que acelerar a investigação pela gravidade, porque não é da nossa cultura aqui no Rio Grande do Sul e pela enganosidade. E mesmo que não fosse carne de cavalo, poderia ser carne de gado, que a gente está acostumado aqui, não poderia naquelas condições, em local totalmente sem inspeção, sem condição sanitária alguma, totalmente clandestino", justifica.

O reportagem ligou para as duas hamburguerias pelos telefones disponíveis na Internet, mas não conseguiu contato.

MP investiga outros estabelecimentos

Segundo o MP, uma das lancherias que teve o uso de hambúrgueres com carne de cavalo confirmado informou que 60% das hamburguerias da cidade de Caxias do Sul comprariam do mesmo fornecedor. O dado ainda será investigado pelo Ministério Público.

"Em um dos mandados de busca, havia uma listagem com 17 estabelecimentos de Caxias do Sul que, em tese, adquiriam essa carne de cavalo desse grupo. Temos 20 testemunhas para serem ouvidas até a próxima terça-feira, vamos tentar esclarecimento", afirma o promotor.

Para ajudar nos próximos passos da investigação, também foi apreendido nesta quinta-feira o celular de um integrante dessa organização criminosa, que fazia os contatos e vendia a carne para as hamburguerias. 

A Vigilância Sanitária do município já foi acionada.

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade
Matérias relacionadas

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.