Publicidade
Botão de Assistente virtual
Notícias | Rio Grande do Sul Operação Caritas

Ex-presidente da Câmara de Canela é preso pela segunda vez em menos de dois meses

Alberi Dias, do MDB, foi afastado do cargo após ser preso em outra fase da mesma operação, em novembro

Publicado em: 28.12.2021 às 18:49

O ex-presidente da Câmara de Vereadores de Canela, Alberi Dias (MDB), foi preso nesta terça-feira (28) em um novo desdobramento da Operação Caritas, que investiga crimes de corrupção no poder público do município. Ele foi localizado pela Polícia Civil em um clube da cidade.

Alberi Dias está afastado do cargo desde o início de novembro, quando foi preso na terceira fase da mesma operação. Na ocasião foram cumpridas mais de 200 ordens judiciais, incluindo prisões, afastamento de servidores e mandados de busca e apreensão.

Sétima fase da Operação Caritas prende vereador de Canela pela segunda vez em menos de dois meses
Sétima fase da Operação Caritas prende vereador de Canela pela segunda vez em menos de dois meses Foto: Divulgação

De acordo com a Polícia Civil, a prisão desta terça-feira se deu "após análise de vasta documentação apreendida nos endereços do investigado durante a terceira fase da Operação Caritas que indicam ainda mais sua efetiva participação na organização criminosa".

O delegado titular da DP de Canela, Vladimir Medeiros, diz em nota que o político "agia com liderança e mantinha núcleo próprio para praticar crimes em desfavor dos cofres públicos, sobretudo com a utilização de diversas empresas - algumas de fachada - e parentes para vencer muitas concorrências de obras com a Prefeitura".

A investigação aponta que Alberi Dias teria usado inclusive CNPJs de empresas sem qualquer autorização ou consentimento dos proprietários, "além realizar atos de lavagem de dinheiro com veículos, imóveis e valores". Segundo a Polícia, "o investigado seguia agindo mesmo após sua prisão, inclusive influenciando agentes políticos, já que sequer apuração administrativa foi aberta para apurar os fatos envolvendo seu nome, o que contribuiu para o novo pedido de prisão".

Conforme o delegado, a força-tarefa da DP de Canela "avança a cada dia" na apuração dos crimes com a análise de documentos, materiais e aparelhos apreendidos pela Polícia Civil, "sendo reforçada a convicção sobre os fatos já apurados, mas também se avançando sobre fatos novos e novos investigados".

Saiba mais sobre a Operação Caritas

A ação da tarde desta terça-feira (28) foi a sétima fase da Operação Caritas, que se iniciou em 9 de abril, quando foram apreendidos materiais de construção do Hospital de Caridade de Canela que haviam sido desviados para propriedade particular.

A segunda fase foi em 30 de junho, quando policiais civis apreenderam uma lista com nomes de servidores ocupantes de cargos em comissão (CCs) que pagavam valores em dinheiro para o partido político após acompanharem, durante todo o dia, a atividade de recolhimento do dinheiro em diversos locais, inclusive prédios públicos.

A terceira e mais relevante fase da operação foi em 8 de novembro, quando 175 policiais civis cumpriram simultaneamente mais de 200 medidas judiciais, que incluíram prisões preventivas, afastamentos cautelares de servidores públicos e 44 mandados de busca e apreensão em nove cidades.

Em 16 de novembro foram cumpridos três mandados de busca e apreensão em residências e propriedades rurais de Canela. os imóveis estariam ligados a um dos investigados pela Polícia Civil e que havia sido preso na terceira fase. A Polícia apreendeu inclusive um cheque no valor de R$ 200 mil que, segundo a investigação, seria utilizado para adquirir um imóvel supostamente utilizado para lavagem de dinheiro.

A quinta fase da operação foi em 29 de novembro, quando foram cumpridos mandados de busca em endereços ligados a empresas que prestam serviços de maquinário e terraplanagem para a Prefeitura de Canela.

E a sexta fase foi no último dia 23, quando agentes da DP de Canela prenderam outro investigado, acusado de intimidar, ameaçar e coagir testemunhas do inquérito policial. De acordo com o delegado Vladimir Medeiros, "o inquérito policial segue em andamento e é prioridade absoluta para a Polícia Civil de Canela, que tem instalada uma força-tarefa exclusiva para este caso".

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade
Matérias relacionadas

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.