Publicidade
Opinião Opinião

Sobre juízos sumários de culpa

Por Sílvia Regina Becker Pinto
Última atualização: 29.06.2020 às 11:02

Em maio de 2007, Madaleine McCann, uma menina de apenas 3 anos, desapareceu, misteriosamente, do quarto de um resort na Praia da Luz, no Algarve, distante 200 quilômetros de Lisboa, em Portugal. Naquele dia, por volta das 21 horas, seus pais, os médicos ingleses Kate e Gerry McCann, saíram para jantar com amigos, deixando Madeleine com seus irmãos gêmeos no quarto. Quando Kate voltou, em torno das 22 horas, a menina não estava mais na cama. Os irmãos dela, sim, estavam.

Eu estudava em Portugal naquela época e os jornais não falavam de outra coisa. O desaparecimento da menina chocou o mundo, mobilizou as autoridades policiais, e a mídia acompanhou as incansáveis buscas inexitosas por Madaleine. O caso é cercado de mistério, exposição e declarações contraditórias: os pais, que se afirmavam desesperados; que sentiam o peso da culpa por terem deixado as crianças sozinhas; que aparentavam sofrimento atroz, da condição de vítimas logo passaram a de "suspeitos" de serem os autores da morte e da ocultação do cadáver da filha. Sim, especulou-se muito que "Maddie", como era chamada, pudesse ter morrido acidentalmente (por medicamentos dados pelos genitores) e os pais estariam simulando um rapto para encobrir a situação.

Kate, lembro bem, chegou a escrever um livro com o nome da filha, com revelações de um diário pessoal onde anotava os dias de sofrimento. Os pais revelaram, adiante, que, até hoje, compram presentes de aniversário para a menina, mantendo viva a presença dela. Pois agora, em 2020, a Polícia alemã divulgou o nome de um suspeito pelo desaparecimento de Madaleine, dizendo que que acredita que a menina está morta

Ele seria Christian Brueckner, um predador sexual alemão que teria morado no Algarve por mais de 10 anos, inclusive na época em que Maddie desapareceu. Consta que, no dia seguinte do desaparecimento, ele teria passado seu carro para o nome de outra pessoa, abandonado a casa em que residia para ir viver em uma van. Ainda, que ele havia forçado a entrada no apartamento onde a Família McCann passava férias para furtar.

Fico aqui a pensar no casal McCann, que abandonou Portugal, onde já havia sido sumariamente condenado pela opinião pública, por "matar" a filha... Penso na dor de perder uma filha e ainda ter de suportar uma "condenação" sumária injusta, por fato que não praticou. Assassinatos de reputações matam pessoas em vida. Mario Rosa, em "Era do Escândalo" mostra como isso acaba com o ser humano. Recomendo a leitura.


O artigo publicado neste espaço é opinião pessoal e de inteira responsabilidade de seu autor. Por razões de clareza ou espaço poderão ser publicados resumidamente. Artigos podem ser enviados para opiniao@gruposinos.com.br


Quer receber notícias como esta e muitas outras diretamente em seu e-mail? Clique aqui e inscreva-se gratuitamente na nossa newsletter.

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade
Matérias relacionadas

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.